Confessionalidade na cultura da diversidade

Como ser cristão confessional na cultura da diversidade?

Neste texto, “confessional” significa apegado às confissões doutrinais e, por conseguinte, éticas do Cristianismo que deflui da Reforma Protestante do século 16. Os cristãos reformados abraçam os credos ecumênicos (apostólico, niceno-constantinopolitano e atanasiano), a Confissão de Fé e os Catecismos de Westminster, a Primeira e Segunda Confissões Helvéticas, o Catecismo Belga, o Catecismo de Heidelberg e, mais recente, a Declaração de Cambridge. Incluo também, como “confessionais”, os que abraçam o novo calvinismo holandês ...

Ler mais →
0

O valor e os limites da ortodoxia

Apostila em PDF (308 KB)

O coordenador de um curso de Teologia solicitou aos professores que alterassem o modo como eles escreviam os programas de suas disciplinas. A partir daquele momento, ao listar referências bibliográficas, os professores deviam informar aos seus alunos quais livros ou fontes eram “ortodoxas”. Os livros ou fontes que não eram ortodoxas deviam ser listados sob o título Leituras Heterodoxas. Alguns professores protestaram contra a medida. Um deles afirmou que não ...

Ler mais →
0

Profetas: Os pontos de vista católico-romano, evangélico e reformado sobre revelação

Apostila em PDF (1.3 MB)

Ximenes não compreendia a razão que levava seu amigo Roberval a crer na doutrina da ascensão de Maria. Ele procurara no Novo Testamento uma menção a esse assunto, mas não encontrou. Roberval, um católico-romano bem
informado, explicou a Ximenes que a doutrina não se encontrava na Bíblia. A Igreja Católica Apostólica Romana (ICAR), promulgou tal ensino a partir de sua “Sagrada Tradição”.[1]

Neste estudo ...

Ler mais →
0

A subestimação e a superestimação do pastor

Escrevi isso na manhã do dia 10/11. Parece útil para o momento. Há dois erros comuns em nosso modo de enxergar o trabalho de um pastor efetivo ou titular (que os norte-americanos intitulam senior pastor), mas o que direi se aplica também, guardadas as devidas proporções, aos pastores auxiliares. O primeiro erro é subestimar o ministério; o segundo é superestimá-lo.

Pensemos na subestimação.

Deus mesmo estabelece o ministério para honra dele e para encaminhamento de seu decreto providencial. Deus tem coisas ...

Ler mais →
0

O que é liderança cristã?

A Bíblia não nos fornece um conceito de liderança. A literatura atual sobre liderança revela duas vertentes. Uma delas afirma que “uma definição explícita [de liderança] não é necessária”.[1] Outra reúne dezenas de autores, cada um sugerindo seu próprio significado. Um autor respeitado sugere, por exemplo, que liderança é o “processo pelo qual um indivíduo influencia um grupo de indivíduos a atingirem um objetivo comum”.[2]. ...

Ler mais →
0

A falácia da liderança visionária [atualizado]

O líder cristão é um visionário — um criador e articulador de visão. Ele é capacitado para formatar e comunicar uma visão com clareza. Ele sabe como motivar os crentes a assumir uma visão rumo a um alvo bíblico e desejável.

Esse é um paradigma difundido na literatura e em congressos cristãos. No contexto episcopal isso é acolhido quase que sem questionamento. O problema é abraçar e tentar implementar essa ideia no contexto de uma liderança bíblica conciliar.

Se a igreja ...

Ler mais →
0

O trabalho pastoral

Quem é o pastor, quais são as suas atribuições e como a resposta a estas perguntas auxilia no atendimento das necessidades reais de uma igreja local? Neste estudo eu tento responder a estas questões a partir das Escrituras, da teologia e da história.

Dados teológicos

Charles Spurgeon disse: “Os ministros são para as igrejas, e não as igrejas para os ministros”.[1] A partir desta afirmação, proponho que a formulação de uma teologia de ministério ...

Ler mais →
0
Página 1 de 12 12345...»