abaixo_joao_calvino

Abaixo João Calvino!

Estou para ver um personagem que cause tanta controvérsia quanto João Calvino. O ministro da igreja de Genebra e líder da Reforma Protestante do século 16 é descrito por uns como um estadista capaz, administrador eficiente, líder eficaz, doutrinador fiel, pastor cuidadoso e teólogo excelente. Outros porém, o consideram um déspota, inimigo da liberdade, divisor da igreja, assassino frio e mentor do capitalismo selvagem. Enquanto há quem o admire profundamente, outros o odeiam, mesmo após meio milênio de sua morte.

Sempre foi assim e não temos porque esperar que seja diferente, pelo menos até o dia do Juízo, quando serão reveladas todas as realidades diante do Trono do Altíssimo. O estranho é que, no presente momento, vejamos uma indisposição ao reformador dentro dos círculos ditos calvinistas.

Há pastores que não enxergam nenhum valor em Calvino. Tenho encontrado ministros que deixam claro, com todas as letras, que estão entre aqueles que depreciam o autor das Institutas. Aqui e ali estou diante de um estudante de teologia que faz chacota de Calvino e o descreve em termos nefastos. Os livros sobre Calvino que o descrevem positivamente não são lidos porque são vistos por essa gente como “tendenciosos”. O que vale são os livros escritos por opositores e que mostram Calvino como um vilão, um pervertido e um desequilibrado. Os presbiterianos que demonstram respeito e admiração por Calvino são motivos de troça, considerados como retardados teológicos e mentais, rotulados como bitolados e desprezados do convívio da nova geração presbiteriana anticalvinista.

É como se ouvíssemos, dentro das próprias igrejas e instituições presbiterianas, um novo moto, amargo e obscurantista: “Abaixo João Calvino!”

Alguns dos que agem assim preferem alimentar-se de ideias preconcebidas do que conhecer e suprir-se com a sã doutrina. Dialogam sobre uma lenda ou uma caricatura. Não se dão ao trabalho de ler diretamente na fonte, de conhecer, de fato, as ideias do mais esclarecido entre os reformadores. Os que, dentro do presbiterianismo, atacam João Calvino, precisam reconhecer que são beneficiados pela igreja ao mesmo tempo em que não se mostram caridosos ou respeitosos com os seus predecessores.

É claro que alguns falam mal sem nenhuma malícia; simplesmente não conhecem ainda todos os fatos. À medida em que amadurecerem mudarão de posição. Mas existem os contrários à instituição, os que se espelham em modelos eclesiásticos arminianos e neopentecostais e questionam o sistema presbiteriano, a constituição, os códigos de liturgia e as estruturas convencionais. Tudo o que se pareça com presbiterianismo é rechaçado. Tais pessoas devem pensar com carinho se o melhor não seria filiar-se a outras denominações com as quais se identifiquem. Eu imagino que deve ser horrível estar em uma igreja da qual não se vista a camisa. A Escritura diz que devemos servir “ao Senhor com alegria” (Sl 100.2).

Quanto a nós, respeitamos os reformadores. Não idolatramos João Calvino, Lutero ou John Knox, estamos conscientes de que eles eram seres humanos, falíveis. Porém, possuímos senso histórico, entendemos que existem marcas deixadas pelos pais que não devem ser removidas. Louvamos a Deus, Senhor da História, por aqueles que nos deixaram um rico legado espiritual.

Publicado originalmente no Boletim da Igreja Presbiteriana Central do Gama, em 03/09/2004. Revisado em 25/04/2012 e 23/07/2013.

2 Responses to Abaixo João Calvino!

  1. Sebastião di paula 10 de novembro de 2016 at 14:31 #

    Sou muito grato ao Senhor meu Deus a quem eu sirvo, por me clarear a mente. Certo dia, no ano de 2005, comecei a orar a Deus. Nem sabia o que era avivamento. Por incrível que parece, ainda com saudades da igreja de que fui membro, comecei a ouvir sermões do Rev. Hernandes Dias Lopes e Augustus Nicodemus, dentre outros pastores reformados. Percebi que sou Calvinista. Louvo ao meu Senhor Deus, por me trazer à mente algo tão esclarecedor e cristalino relacionado a Bíblia Sagrada: A salvação é pela graça, Deus é quem opera a salvação, por nós mesmos isso é impossível. Somente Deus salva. Isso me traz lágrimas aos olhos, não tenho palavras. Agradeço ao meu Deus por algo tão maravilhoso e também aos mencionados reverendos, a quem o Senhor Deus usou para clarear aquilo que sem saber já brotava dentro de mim. Amo os irmãos presbiterianos. Respeito profundamente a Igreja Presbiteriana. Talvez, mais tarde, quem critica possa ver seu erro em colocar em dúvida uma igreja verdadeiramente cristã.

    • Misael 15 de novembro de 2016 at 12:56 #

      Prezado irmão Sebastião. Graças a Deus por isso. Eu também fui e tenho sido muito abençoado por estes dois pastores.

Deixe uma resposta