Skip to content

As eleições de Deus e dos homens

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter

No último post eu falei sobre uma reunião de líderes cristãos, realizada no séc. 17, na cidade de Dort (Holanda), conhecida como Sínodo de Dort. Destaquei este assunto porque neste ano as igrejas reformadas celebram os 400 anos daquela reunião. Informei que aquele concílio publicou um documento intitulado Cânones de Dort, que organizou a doutrina bíblica da salvação. Mencionei o artigo 1 (do cap. 1) do documento, que explica a depravação total e afirma que “toda a humanidade é condenável perante Deus”. Daí aplicamos isso ao momento eleitoral atual.

Os artigos 6-18 (do cap. 1) dos Cânones abordam a doutrina da eleição. Não é meu propósito explicá-la aqui (interessados podem conferir um curso completo sobre o assunto, escrito por mim e pela educadora cristã Ivonete Porto). Aqui basta compreender que, apesar de todas as pessoas se afastarem de Deus por causa do pecado (depravação total), Deus escolheu algumas para serem salvas. O critério para esta escolha é graça pura (eleição incondicional). Deus elege para salvação pessoas que não merecem ser salvas. Sua escolha não é baseada em nossa fé, santidade ou competência, mas unicamente em seu amor livre e intencional (Jo 5.21; 15.16; Ef 1.3-14; 2.8).

O assunto aqui é “capacidade de escolha”. E notemos, quanto à escolha humana, que Dort expõe dois entendimentos — ambos verdadeiros e complementares. O primeiro é o de que o ser humano só consegue “escolher” a salvação se, antes de tudo, ele próprio for escolhido por Deus para ser salvo (Jo 6.44).

O segundo entendimento é o de que, mesmo decaídas, as pessoas podem e devem escolher representantes para tomar decisões e governar por elas. No sistema presbiteriano é assim que um sínodo funciona: as igrejas elegem “delegados”, pessoas a quem delegam o poder para lidar com questões pertinentes à doutrina e gestão da igreja. Se a eleição de Deus para a salvação é incondicional, a eleição para cargos de governo (seres humanos elegendo outros seres humanos como seus representantes) considera caráter e competência (At 6.3; 1Tm 3.1-13; Tt 1.5-9). Em suma, por causa da queda, nós já nascemos “mortos em delitos” (Ef 2.1-3). Não temos livre-arbítrio como disposição e possibilidade de escolher Deus. Por outro lado, podemos e devemos fazer escolhas morais e administrativas (possuímos livre agência).

Deus sempre escolhe corretamente. Sua vontade é “boa, agradável e perfeita” (Rm 12.2). Nós, porém, somos limitados em nosso conhecimento, discernimento e escolhas. Pedimos sabedoria a Deus (Tg 1.5-8), mas às vezes nossa tolice é tão grande, que nos arrependemos até de decisões tomadas depois de muita oração.

No dia 07 de outubro faremos escolhas administrativas importantes. Votaremos para eleger Presidente da República, Governador, Senadores (2), Deputado federal e Deputado estadual. Escolhamos representantes para o bem do Brasil e a glória de Deus.

Outras publicações

Nenhum comentário até agora. Seja o primeiro a comentar!


Adicionar Comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *