Filosofia de ministério

Na época de minha primeira graduação em Teologia, um professor pediu que escrevêssemos uma filosofia de ministério. Encontrei e li o arquivo, entre risadas e o assombro de Deus chamar um menino tão imaturo. Hoje, se eu escrevesse uma filosofia, ela seria mais ou menos assim.

Sou chamado por Deus para pastorear pessoas. Acompanhá-las em suas caminhadas de fé. Auxiliá-las em suas lutas e estar junto. Eis a essência da tarefa pastoral.

Durante algum tempo, me vi como responsável por apontar o caminho do crescimento, os alvos relacionados ao desenvolvimento numérico e institucional de minha igreja. Eu era o homem da visão, um coacher (treinador de equipes), gestor de uma organização destinada a “conquistar o mundo”, no melhor sentido dessa expressão.

O tempo passa e somente a Palavra de Deus permanece. Um planta, outro rega, mas “Deus é quem dá o crescimento” (1Co 3.6-7). Os programas se tornam mecânicos e insuficientes. Os alvos, insípidos. As estratégias de liderança, incapazes de suprir as verdadeiras necessidades da alma. Queremos conhecer a Deus e isso não é possível com metodologias mecanicistas de crescimento. Queremos adentrar ao véu e adorar ao Altíssimo; contemplar ao Filho pela fé. Desejamos, à medida em que o conhecemos, sermos mais humanos, humildes e cristãos. Queremos significado, essência, vida. Ouvi-lo, aprender dele e obedecê-lo. Ter menos medo enquanto prosseguimos. Ser mais calmos. Amar mais e nos sentir mais amados. Precisamos de graça — entender o que é graça, percebê-la com mais sensibilidade, desfrutar dela.

Sou pastor, convocado por Deus a caminhar com seu povo, em suas dadivosas experiências de alegria e em suas trágicas experiências de sofrimento. Estar presente, acompanhar, invocar a graça do Senhor sobre as pessoas. Essa é minha vocação. Ajudar as pessoas a nascer, viver e morrer. Curar, alimentar e orientar almas. Pastor, não executivo. Pastor, não homem de marketing. Pastor que ama a ovelha, que vai buscá-la com compaixão, que admoesta, chora e ora. Essa é minha vocação.

Antes, a ambição de ser pastor de uma grande igreja. Hoje, a meta de diminuir, o objetivo de me tornar pequeno, imperceptível. Que seja engrandecido somente o Deus eterno; que só seja visto o Cristo redivivo; que só sua Palavra ganhe destaque. Sou pó, diminuto, insignificante à parte do mandato e da benevolência do Deus que me resgatou. Pequeno e humano, suprido, fortalecido e abençoado por uma comunidade.

Meu relacionamento com a igreja é de amor, doação e misericórdia. Dou e recebo amor. Dou de mim mesmo e sou suprido. Caminho junto com os irmãos. E todos somos agraciados pela misericórdia divina.

Sem dúvida, continuo compromissado com o crescimento e com a excelência, mas focalizado naquilo que é essencial e não periférico: Gente que ri, chora, ama, odeia, briga e perdoa. Minha filosofia de ministério? “Convém que ele cresça e que eu diminua” (Jo 3.30).

0
  Ver também

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: