O Santo “ET”

O que é um santo? Depende da base religiosa de quem responde. Um católico romano afirmará que santo é aquele que ultrapassa os limites da humanidade, alcançando um nível de relacionamento com Deus que é muito mais profundo do que o dos crentes comuns. Tais pessoas recebem uma “graça especial” e se tornam até milagreiros em muitos casos. É por isso que são “canonizados” pela igreja, e tornam-se objetos de veneração. Perfeitos. Ideais. Distantes dos padrões humanos comuns. Mediadores e dignos de adoração (na prática não há diferença entre venerar uma imagem e adorá-la – Êx 20.3-4).

Os evangélicos também possuem o seu próprio método de “canonização”. Só que num estilo diferente. Para nós, santo é aquele que é “diferentão”. Não sabe mais dizer um sincero: “Oi, como vai?”. Para ele só vale alguma coisa como “saúdo-vos com a amantíssima paz do Senhor”. Santo é quem não mostra as canelas e não deixa crescer a barba. Na mulher, a santidade é medida pelo comprimento dos cabelos das axilas, ou pelo tipo de saia ou adereços utilizados. Para o evangélico, santo é o que não ouve MPB ou Sertanejo Universitário. Santo é quem não assiste TV. Santo é quem vê o diabo em tudo: nos desenhos animados, nos programas infantis e nos filmes. Santo é quem não lê revistas em quadrinhos. Santo é quem não ingere bebidas alcoólicas, nem vai ao teatro, cinema ou exposições de arte. Santo é quem não dança; e por aí vai. E quanto mais esquisito, e mais distante da realidade cultural e social, mais santo e mais admirado. Tais alienígenas são “venerados” como referência de vida com Deus. Assume-se, portanto, um ideal supra-humano. Santidade é vista como algo que exige um comportamento tão fora do normal que poucos a desejam ou alcançam.

Por isso é que sou cada vez apegado à Reforma Protestante do século 16. O protestantismo reformado não aliena o homem da vida. Pelo contrário, enxerga Deus como Senhor da vida, e o homem como agraciado pelo Altíssimo, apto, em Cristo, a desfrutar da existência de forma equilibrada e satisfatória. A fé bíblica ensina que santidade não é sinônimo de regras legalistas. Santidade é humanidade redimida e transformada pelo Espírito e pela Palavra, de dentro para fora.

0
  Ver também

Deixe uma resposta

%d blogueiros gostam disto: