Bodelhas perdidas

É preciso salientar que o Senhor Jesus qualificou as ovelhas: “As minhas ovelhas ouvem a minha voz, eu as conheço, e elas me seguem” (Jo 10.27). Em suma, ovelhas sabem ouvir e seguir. O rebanho de Cristo é composto de indivíduos que escutam a fala de Jesus, entram em relação pactual com ele (esse é o sentido bíblico do verbo “conhecer”) e o seguem. Vejamos ainda Provérbios 4.18: “Mas a vereda dos justos é como a luz da aurora, que ...

Ler mais →
0

O fácil e o certo

Nem sempre, porém, o certo é o mais fácil. No que diz respeito às coisas espirituais, parece que o padrão é o oposto: Fazer o certo é difícil, errar é muito fácil.

Não é difícil pecar. Enquanto a prática da virtude assemelha-se a uma escalada íngreme, pecar é como escorregar em um tobogã, dá um friozinho na barriga no início, mas depois a gente desce às gargalhadas. O problema é que, no final das contas, caímos em terrível lamaçal. É mais ...

Ler mais →
2

Marcas, modelos e singularidade ministerial

Nesse sentido, as “marcas” da igreja se diferenciam dos “modelos” de ministério. Marcas têm a ver com princípios imutáveis enquanto modelos relacionam-se com estilos ou respostas fluidas a contextos específicos. As marcas estão ligadas à Igreja Universal ou Católica, enquanto os modelos vinculam-se às igrejas como denominações ou comunidades locais. Destarte, as marcas apontam para padrões bíblicos absolutos enquanto os modelos, para esquemas de gestão condicionados pelo ambiente. Assim sendo, marcas são únicas e universais, devem estar presentes em todas ...

Ler mais →
0

Os “sonhos” de Deus jamais vão morrer

Algumas acepções da palavra “sonho”

Como podemos entender o vocábulo “sonho”? Sem entrar na abordagem psicanalítica, simplesmente consultando um dicionário, lemos que sonho é “um conjunto de imagens, de pensamentos ou de fantasias que se apresentam à mente durante o sono”.[1] Esta acepção apresenta o sonho como experiência ocorrida enquanto dormimos, algo meramente fisiológico e neutro.

Um segundo modo de entender define sonho como uma “sequência de ideias soltas ou incoerentes às quais o espírito se entrega, devaneio, fantasia […]; ...

Ler mais →
0

Bons motivos para visitar Israel

Apesar disso, viajei com um grupo nos dias 13 a 26 de abril de 2015 e, repito, fui positivamente surpreso e abençoado. Hoje eu entendo que, se Deus permitir, gostaria de visitar novamente as terras bíblicas, pelas razões que enumero a seguir.

Correção e contextualização geográfica

Visitar as terras bíblicas nos ajuda a corrigir e contextualizar histórica e geograficamente nossa leitura de alguns relatos da Escritura. É precioso meditar sobre a ocasião em que Davi poupou a vida de Saul (e relacionar ...

Ler mais →
0

Visitar Israel

Exausto, agradecido e surpreso, eis as palavras que melhor me descrevem. As razões para isso são mencionadas a seguir.

Algumas pontuações reformadas

Como cristão e pastor reformado eu sempre fui reticente em visitar Israel. Isso porque a possibilidade de viajar com um grupo para as terras da Bíblia abre espaço para algumas preocupações.

Primeiro há o perigo de lidar com Israel supersticiosamente, considerando virtuosas a areia do Mar Morto ou as águas do Tanque de Siloé. Nesse caso, o Cristianismo deixa de ser ...

Ler mais →
0

O pastorado é um ofício

A leitura reformada dessa passagem (Calvino, Owen, Hendriksen) considera os apóstolos, profetas e evangelistas como ofícios extraordinários e temporários, dados por Cristo à Igreja para o estabelecimento de seus fundamentos. Os pastores e mestres (ou pastores-mestres) são ofícios ordinários, concedidos à Igreja durante todo o tempo entre a primeira e segunda vindas do Senhor Jesus.

O termo ofício possui, no âmbito eclesiástico, um sentido especial: uma função relacionada ao governo e pastoreio da Igreja (daí os oficiais, presbíteros docentes, regentes e ...

Ler mais →
2
Página 4 de 12 «...23456...»