A luta contra os homens maus

O cristianismo vigoroso da Bíblia, da luta espiritual, tem sido substituído por uma versão afeminada de cristianismo, o cristianismo pacifista que, no fim das contas, não é cristianismo porque não é cristão.

Este falso cristianismo continua, a seu modo, pregando contra o mal, enquanto considera falta de amor e anticristão combater o homem mau. Anuncia a paz como suprema, ao passo que só a glória de Deus é suprema, e esta, em determinados “tempos”, exige guerra (Gn 3.15; Ec 3.8; 1Co 10.31). Congratula-se com os filisteus, não ofende os fariseus e toma chá com Alexandre, o latoeiro (Js 13.2; Mc 3.6; 2Tm 4.14). Acha terrível a cena de Davi tendo em uma mão uma espada ensanguentada, e na outra, a cabeça de Golias (1Sm 17.49-51). Escandaliza-se quando a doçura do culto é interrompida por uma nota de disciplina pública. De fato, o pacifista subcristão não gosta de ouvir coisas “negativas”; em nenhum lugar ou ocasião, especialmente na igreja.

O erro é duplo. Primeiro, espiritualizam-se os “opositores” humanos, abundantemente mencionados nos salmos imprecativos, no ministério terreno de Jesus, nas cartas de Paulo e em outros lugares da Escritura. Além disso, a criação é entregue de bandeja ao homem mau.

Que tragédia! Conselhos constrangidos ao lidar com a disciplina. Pastores que, ao discernir a influência dos maus na igreja, deixam o campo ao invés de expulsá-los. Crentes que pedem a Deus que abençoe os perversos, quando a Bíblia ensina que, para estes, há só duas opções, deixar a maldade ou enfrentar a espada (Sl 7.11-16; Ez 3.19). E há os pacifistas que se sentem escandalizados quando o homem mau é combatido. O iníquo mata, rouba e destrói. Controla os governos e as cidades. E alguns crentes, que amam o bem, simplesmente se dobram em nome do “amor”, da “paz” e da “humildade cristã”.

Ser “ovelhas do Senhor” não corresponde a ter pouca inteligência moral (Sl 79.13; 119.99-102; Ez 44.23; Hb 5.14). Há uma diferença entre a humildade cristã e o idiotismo moral. Os crentes bíblicos compreendem que viver “em paz com todos” não significa viver em paz com o homem mau, e sim, viver em paz com os amados de Deus e que amam o bem (Lc 2.14; Rm 12.18; Hb 12.14).

Os homens maus são não apenas indivíduos enganados. São agentes de Satanás; dependendo de sua influência e impacto na história, os homens maus são a própria personificação dele (Ap 13.1-10). O cristão não deve ser indiferente à maldade dos maus. Nem deve submeter-se às imposições más dos homens maus. Nas boas narrativas clássicas, muitas delas hoje consideradas “estranhas” ou “chocantes” ao paladar pacifista, os vilões são castigados ou destruídos. É o que encontramos na tratativa bíblica: “Para os perversos, todavia, não há paz, diz o Senhor” (Is 48.22).

0
  Ver também

Comentar