Categorias
Livros

O livro digital: primeiras considerações de um leitor analógico

Na sublime e enigmática visão da consumação dos séculos, o profeta enxerga não apenas Deus, anjos e homens, mas também livros (Ap 20.12). Pela ótica do cristianismo, o livro tem ainda um longo caminho pela frente.

Artigo publicado como capítulo do livro HumaniDiversalidades: Projeto de Humanidades Digitais, produzido pelos alunos do programa de pós-graduação em Educação, Arte e História da Cultura da Universidade Presbiteriana Mackenzie (segundo semestre de 2017).[1]

Introdução

Desde os tempos primordiais, o objeto livro tem diferentes usos. Haslam nos informa que:

A palavra book deriva-se de uma velha palavra inglesa bok oriunda de beech tree (faia, tipo de árvore). Em português a palavra livro deriva-se do latim liber. Os saxões e os germânicos usavam as tábuas de faia para escrever, sendo a definição literal de um livro “tábua para escrita”.[2]

Uma obra clássica do século 19 conceitua o livro como “uma obra escrita por qualquer pessoa esclarecida sobre qualquer assunto de ciência, para a instrução e o entretenimento do leitor”.[3]

A novidade e as repercussões da escrita

O livro foi inserido na experiência humana como resultado direto da criação da escrita. Até então, a verbalização do mundo pela linguagem falada, privilégio inigualável, permitiu interação e organização social, limitando os registros das coisas à memória individual e coletiva. Em tal contexto, ensinar e aprender correspondiam a fazer uso de habilidades retóricas e de memorização. Não pensemos que se tratava de um ambiente de comunicação informal, pois tanto o falar quanto o ouvir exigiam esforços significativos de formatação e sistematização.[4] Simplesmente, tais empreendimentos — ensinar e aprender — eram levados adiante sem material escrito.

Sócrates parece tratar desta questão, ao mencionar a fala de Tamos a Theuth, no Fedro.[5] Lamenta-se ali a chegada das “artes da escrita” que, na opinião de Tamos, alardeavam um auxílio à memória, quando na verdade, resultavam em desserviço à memória (pois os homens a usariam menos, confiando no registro escrito) e no afastamento da verdade em si (encontrada na interação pessoal entre o mestre e seu discípulo), em favor de uma:

[…] aparente e não verdadeira sabedoria. Pois […] vão ouvir falar de muita coisa que não aprenderam e serão aparentemente sabidos em tudo, quando ignoram a maior parte — e ainda de convívio difícil —, feitos sábios em aparências e não em saberes (PLATÃO, op. cit., 275a-275b, p. 137, grifo nosso).[6]

McLuhan chama a atenção para o fato de Tomás de Aquino considerar “que nem Sócrates nem Nosso Senhor puseram por escrito seus pensamentos, porque a espécie de interação das mentes que é ensinar não é possível por meio da escrita”.[7] Ele sinaliza corroborar o parecer de J. C. Carothers, quando este compara as culturas oral e escrita, sugerindo que:

Foi somente quando a palavra escrita, e ainda mais a palavra impressa, apareceram em cena que se constituiu o cenário para as palavras perderem seus poderes mágicos e suas vulnerabilidades.[8]

E ainda, “enquanto para os europeus, em geral [imersos em uma cultura escrita], ‘ver é acreditar’, para os africanos rurais [imersos em uma cultura oral] a realidade parece residir muito mais no que se ouve e diz”.[9] Por fim:

Quando as palavras são escritas, tornam-se elas, naturalmente, parte do mundo visual. […]. Assim, em geral, as palavras, ao tornarem-se visíveis, juntam-se a um mundo de relativa indiferença para o expectador — um mundo do qual se abstraiu o ‘poder’ mágico da palavra.[10]

McLuhan assevera que a alfabetização modifica gradativamente “subestruturas de linguagem e sensibilidade”.[11] Reconhece “a grande contribuição de Carothers […] em assinalar a ruptura entre o mundo mágico da audição e o mundo neutro da visão, e mostrar como, dessa cisão surgiu o indivíduo destribalizado”.[12] Esse momento, de visualização das letras, alterou a relação entre nossos sentidos e revolucionou nossos processos mentais, como segue:

Se se introduz uma tecnologia numa cultura, venha ela de fora, ou de dentro, isto é, seja ela adotada, ou inventada pela própria cultura, e se essa tecnologia der novo acento ou ascendência a um ou outro de nossos sentidos, altera-se a relação mútua entre todos eles. Não mais nos sentimos os mesmos, nem nossa vista e ouvido e demais sentidos permanecem os mesmos. […] O resultado é uma ruptura da relação normal entre os sentidos, uma espécie de perda de identidade. O homem tribal, analfabeto, vivendo sob a intensa pressão da organização auditiva de toda experiência, está, como se fosse, em estado de transe.[13]

A escrita salvaguarda e publica nomes, feitos e crenças com finalidade religiosa, artística (técnica) e histórica (mesmo o dito de Sócrates, contrário à escrita, é preservado pelo registro escrito de Platão). Destarte a escrita supre, ao longo das eras, demandas tanto culturais quanto administrativas, mas da escrita ao livro, um caminho extenso teve de ser percorrido.

Uma trajetória breve do livro

O registro em barro, pedra ou madeira contempla durabilidade, mas não usabilidade. Se, guardadas as devidas proporções (pelo menos do ponto de vista de Theuth, como consta acima), podemos pensar na escrita como suporte para a memória, é plausível enxergar o livro como suporte triplo para a escrita, uma vez que, em primeiro lugar, é necessário guardar o que se escreveu (assegurar o conteúdo). Em segundo lugar, é preciso acessar os volumes e coleções de autores e escritos (organizar os conteúdos). Por fim, em terceiro lugar, é mister permitir a consulta e leitura em diferentes lugares (circulação dos conteúdos).

Haslam sumariza as origens do livro com precisão:

Podemos dizer que os primeiros designers de livros foram os escribas egípcios, que redigiam seus textos em colunas e já faziam uso de ilustrações. A escrita egípcia não era apresentada em forma de livro como o conhecemos, mas em rolos — as folhas de papiro eram coladas umas às outras e enroladas em forma de cilindro que chegava a medir até 20 m de comprimento. […]
Foi provavelmente Eumênio II, rei de Pérgamo (197-158 a.C.), na Ásia Menor, quem primeiro pesquisou o uso de peles de animais como uma alternativa ao papiro, que teve sua exportação proibida por Ptolomeu Epifânio, de Alexandria. Os sábios do reino produziram uma pele de animal (carneiro) com dois lados, que após ser esticada em um caixilho, era secada, branqueada com giz e, então, polida e alisada com pedra-pomes. Daí a origem do pergaminho, de membrana pergamena, pergamenum.[14]

Paiva informa que:

A variação que a pele traz para o suporte livro estaria no toque, maciez, beleza, qualidade da escrita, economia. Material adequado à ornamentação, tem superfície bem regular, oferece pouca resistência aos instrumentos de escrita e confere excelente efeito visual para imagens.[15]

A possibilidade de dobrar e encadernar o pergaminho deu origem ao códex (códice), mais compacto e ideal para levar em viagens. Gradativamente o pergaminho foi substituído pelo papel, “palavra derivada de pāpyrus em latim ou pápyros do grego, […] desenvolvido na China por volta de 200 a.C.”.[16] Especialmente a introdução das lombadas, permitiu identificar, em uma estante, qualquer obra por seu título, autor ou volume. Desde então, os conteúdos foram escritos em colunas, em páginas retangulares numeradas (resultantes das dobras dos pergaminhos ou folhas de papel) e divididos em partes (capítulos). E tudo isso costurado e encapado com couro, madeira ou metal. Nasceu o livro.

Mas ainda não era o livro impresso. Tratava-se do livro artesanal, cuja produção era dispendiosa, limitada e dependente da technē do escriba copista, do criador de iluminuras (que, com um estêncil, coloria e dourava ilustrações), do artista de gravura em madeira e das oficinas encadernadoras.[17] O alto custo aliado ao tempo alongado de produção, impediam que este se difundisse para o público mais amplo. Sendo assim, mesmo nas universidades que surgiram a partir do décimo segundo século, o bom aluno era o dotado de grande capacidade de memorização, pois o mestre lia o único volume disponível de determinada obra. Adler explica que “como a etimologia da palavra ‘preleção’ indica, oferecê-la consistia em ler um texto em voz alta, acompanhado de um comentário contínuo acerca do que ela lido”.[18] O aluno ouvia, tomava notas e decorava o que ouvia. Ainda que pudesse ler suas notas individualmente, não se podia dizer até aquele tempo, que houvesse um “espaço privado” do leitor — um ambiente em que ele próprio pudesse entabular diálogo com o texto completo do livro.[19] É claro que indivíduos ou famílias, bem como comunidades de maior poder aquisitivo desfrutavam do privilégio do acesso a acervos de leitura. Isso, porém, não altera o quadro geral: Não havia disponibilidade de livros em grande escala; o saber literato era restrito.

Daí apareceu Gutenberg, que inventou a imprensa e impactou o mundo.

Gutenberg ilustra um princípio: Parece que Tofler estava certo ao capitalizar a ideia de “ondas de mudança”.[20] A metáfora da onda é útil, sugerindo a ideia de algo novo (um movimento) que não exclui o que existia antes (o movimento anterior). O livro, que já existia em forma artesanal, para uso de indivíduos ou grupos privilegiados, ao ser publicado por meio de um processo mecânico, tornou-se acessível a um público amplo.

Ocorreu algo similar à invenção da escrita. Alcançado pelas novidades providas pela prensa móvel de Gutenberg, o público mais amplo foi não apenas informado, mas transformado. O processo de produção do livro mudou e o homem mudou com ele. Richard Sennett repercute Carothers e McLuhan ao sugerir que o ser humano pensa por meio do fazer.[21] O acesso ao livro trouxe, em seu bojo, o espaço privado de leitura e o ideário de individuação e privatização (o leitor podia, finalmente, se fechar em um ambiente somente seu e mergulhar em seu livro). Nesse contexto, ampliou-se o espaço para a leitura ativa.

Mas o que é isso, leitura ativa? A experiência remonta à primeiras leituras de textos escritos, mas a conceituação surgiu no século XX, com a obra Como Ler Livros, de Adler e Van Doren.[22] O objetivo deste artigo não é explicar em detalhes a proposta de leitura ativa de Adler e Van Doren. Basta saber que, grosso modo, leitura ativa é sinônimo de boa leitura, que conduz o leitor à compreensão de uma obra e o torna apto a conversar sobre ela com a convicção de que sabe o que o autor quis dizer. O enquadramento da leitura ativa assume como possível a um leitor contemporâneo compreender o pensamento de um autor do passado distante. Admite-se que esta compreensão pode ser difícil, quando não, virtualmente impossível. Ainda assim, não se desiste deste intento, assumindo-se que um bom leitor atual dos Evangelhos, de Freud ou de Marx, pode afirmar com razoável grau de certeza o que Jesus, Freud ou Marx quiseram dizer.

É claro que eruditos empreendiam esse tipo de leitura antes do advento da prensa móvel, mas a partir de Gutenberg essa possibilidade foi ampliada, em um grau nunca dantes possível. Desde então, livros foram e têm sido impressos, publicados e desfrutados como fonte de novo saber, informação e entretenimento. Mais do que nunca, “educação” passou a equivaler a letramento e “estudioso”, a leitor de livros. Todo o esforço nesta empreitada, diz respeito a como ler mais e melhor, quer dizer, como manusear mais eficazmente o objeto livro.

Desde seu nascedouro o livro foi lido e compartilhado, servindo simultaneamente ao indivíduo (psychē), à família (oikos) e à comunidade mais ampla ou sociedade (polis).

Com o tempo mudaram tecnologias, materiais de composição e meios de distribuição e preservação (com a adequação das bibliotecas). Modificaram-se também os espaços (ou territórios) de fruição. Compreendeu-se que mesmo o conteúdo mais excelente fica prejudicado, se a composição gráfica do livro for ruim. Que tipos distintos de literatura exigem projetos gráficos distintos. Que ao se pensar no formato, encadernação e peso do livro, deve ser levada em conta a interação dos sentidos e do corpo humano. E que é importante compreender como o olho interage com o objeto — o impacto do tipo de papel, fonte, espaço entre palavras e linhas e alinhamento na leitura dos textos. Também, o modo como a mente processa imagens e palavras, e a partir disso, a melhor posição destas nas páginas. Pouco a pouco foram estabelecidos cânones, visando garantir aos leitores experiências de leitura mais prazerosas e eficientes. Desenvolveram-se paradigmas de composição ou, como preferem alguns, uma arte do livro.[23]

Até aquele ponto, o livro era tido como um repositório da inteligência do homem e um objeto a ser lido. Em algumas tradições filosóficas e religiosas precedentes, havia quem afirmasse que existe um sentido em que, quando um homem lê um livro, o livro também lê o homem. Mesmo assim, o homem antigo nunca imaginou que chegaria um dia em que, ao ler um livro, ele próprio, como leitor, estaria sendo lido pelo algoritmo de uma inteligência artificial, capaz de registrar seus hábitos de leitura, de sugerir novas leituras a partir de tais registros e de compartilhar seus dados em uma rede de alcance global.[24] Como veremos, esta é a experiência do leitor digital.

A prevalência da tecnologia e a chegada do livro digital

O que se insere a partir de Gutenberg e industrialização, é a desenvolução e prevalência da tecnologia. Jacques Ellul[25] propõe uma leitura deste desenvolvimento. Para Ellul, a sociedade tecnológica possui seis características, quais sejam, (1) automatismo da escolha técnica;[26] (2) auto-incrementação,[27] ou seja, “transformação e progresso sem intervenção direta do homem”;[28] (3) monismo[29], “o fenômeno técnico abarca todas as técnicas separadas, tornando tudo UM”;[30] (4) como desdobramento dos itens 2 e 3, a ligação necessária entre técnicas;[31] (5) universalismo técnico,[32] ou seja, geograficamente, todos os países abraçam a tecnologia e, qualitativamente, são desenvolvidas linguagens e padrões universais para desenvolvimento tecnológico; por fim, (6) a autonomia da técnica,[33] que avança a despeito da política, economia, moralidade e valores espirituais. Na perspectiva nada otimista de Ellul, isso imbrica no homem-máquina, na dissociação ou fragmentação do homem e no estado apocalíptico que ele denomina “Integração Total”.[34]

Falamos tanto de ruptura, quanto de metamorfose; as novas tecnologias não apenas auxiliam o homem a fazer coisas antigas de um jeito novo. Elas o movem e instrumentalizam para empreender o que nunca dantes empreendera e, ao mesmo tempo, o alteram. O ser humano muda com o uso de novas tecnologias, mesmo quando opta por elas simplesmente com a finalidade de realizar tarefas antigas de modo mais eficiente e eficaz.

Os primórdios do livro digital: O formato PDF

Como surgiu o livro digital? Os avanços que permitiram sua produção podem ser resumidos a três movimentos (admitindo-se aqui um grau extremo de simplificação). Primeiro, se tornou possível usar computadores para compor layouts de livros. De acordo com White, “não mudou muita coisa no ramo editorial nos últimos cinquenta anos, ou nos últimos quatrocentos […]. Então veio a fita durex… A letraset… O xerox… impressão em offset… e os Macs!”[35] Outro autor fornece mais detalhes sobre o uso do computador para editoração:

A editoração eletrônica trouxe vantagens ao mercado, evitando o leva e traz de empresas especializadas em textos e operações de paste-up. Além disso, uma série de convenções estão sendo derrubadas nas artes gráficas, passando as tarefas a serem realizadas numa simples mesa.[36]

Fundamental foi o primeiro software de editoração eletrônica, o Adobe PageMaker.

Por ser um diagramador eletrônico, o PageMaker permite criar o que chamamos de página-mestre, que conterá em sua estrutura todas as diretrizes, regendo a diagramação das páginas em trabalhos livrescos e para-livrescos.[37]

O segundo movimento, que abriu caminho para o livro digital, foi o desenvolvimento pela Adobe Systems, em 1993, do formato de arquivo digital denominado Portable Document Format (PDF). Atualmente, mesmo pessoas leigas em tecnologia lidam razoavelmente com arquivos PDF. O formato é usado quase que universalmente, mas em 1999, quando o autor deste artigo publicou seu primeiro web site oferecendo livros digitais, foi necessário despender um esforço significativo para explicar aos compradores o que era o PDF. Na ocasião os interessados escolhiam as obras, depositavam o valor pertinente em banco e enviavam o pedido da encomenda por e-mail com o comprovante do pagamento anexado. Podiam também enviar um cheque ou vale postal. A pré-história do e-commerce tupiniquim.

Esta tecnologia abriu possibilidades interessantes. Era possível criar o PDF de um livro diretamente do software de editoração, e este era visualizado e manuseado em qualquer plataforma ou dispositivo computacional.[38] Sendo assim, o PDF atendia perfeitamente à demanda inicial de e-Books com layouts fixos (figura 1).

Livro em PDF
Figura 1. Um livro em PDF reproduz exatamente o layout do livro impresso.

Outros recursos dos arquivos PDF:

  • O arquivo PDF podia ser lido na tela de um computador, utilizando o Adobe Acrobat Reader.[39]
  • Para navegar pelas partes do livro, bastava clicar, em uma barra lateral, nos títulos de capítulos do sumário ou nas miniaturas de páginas. O Acrobat Reader permitia adicionar um marcador, gravando o ponto em que o leitor parou a leitura.
  • Várias obras cabiam em poucos disquetes,[40] diminuindo a demanda de espaço para livros na estante, bem como o peso para quem precisasse transitar com muitos volumes.
  • O leitor pesquisava digitando frases ou palavras-chave em um campo de buscas. Também escrevia anotações e marcava palavras, frases ou parágrafos inteiros com cores, à semelhança do que podia ser feito com textos impressos.
  • O leitor imprimia apenas a parte desejada do livro ou texto.
  • Corporações podiam digitalizar manuais, apostilas e outros documentos.
  • O autor ou editor eliminava custos de impressão e distribuição, disponibilizando a obra para venda imediatamente. Por outro lado, o leitor também acessava o livro rapidamente, sem precisar aguardar o envio pelo correio.
  • Por fim, o livro em PDF custava menos do que sua versão impressa.

Esses recursos continuam disponíveis para os usuários contemporâneos do PDF. Em suma, o PDF representou inovação e possibilidades de uso que repercutem ainda hoje. Apesar disso, uma nova demanda surgiu com a chegada de novos dispositivos de leitura (e.g., smartphones, tablets ou leitores Kindle). Nestes gadgets a leitura de um PDF desafia.

Entendamos algumas limitações na leitura de e-Books PDF em novos dispositivos.

Limitações na leitura de e-Books PDF em novos dispositivos

Uma característica dos dispositivos mencionados acima é a profusão de tamanhos de tela. Além disso, os conteúdos mostrados mudam de proporção se o aparelho é segurado na horizontal ou vertical. As páginas de PDFs se ajustam ao tamanho e formato das telas, mas nem sempre o tamanho do texto é legível. Isso exige que o conteúdo seja diminuído ou aumentado afastando-se ou juntando os dedos na tela do dispositivo, mas tal procedimento empurra o texto excedente para “fora”. A visualização da página em seu tamanho integral requer novo movimento com os dedos (figura 2).

Um PDF em uma tela de smartphone
Figura 2. Um PDF em uma tela de smartphone: Necessidade de ajustar o tamanho do texto com os dedos.

Para usuários de tablets e smartphones, o ideal é um formato de arquivo que preserve os recursos de navegação, busca por palavras-chave e anotações do PDF, mencionados acima, mas cujo conteúdo se ajuste automaticamente ao tamanho e orientação das telas, e que permita também personalizar a experiência de leitura (alterar alinhamento, família, tamanho ou cor de fontes e fundo de páginas).

Os e-Books baseados em HTML e CSS

Uma solução para produção de e-Books adequados para os novos dispositivos foi adaptada de uma iniciativa de Tim-Bernes Lee, de 1989, antes mesmo da criação do PDF. Lee criou a World Wide Web, popularmente conhecida como “www”, o HTML original e alguns protocolos associados ao HTTP, abrindo espaço para a popularização do uso da internet, tal como a conhecemos. O resultado de longo prazo foi o surgimento do XML, XHTML e CSS, bases para formatação e publicação do livro digital.[41] Como observou Elizabeth Castro, “a World Wide Web é a prensa de Gutenberg de nosso tempo”.[42]

A partir do XHTML e CSS surgiram diferentes formatos de livros digitais, cada um propondo atender às necessidades de personalização e otimização de leitura: O formato “.lit” (da Microsoft, descontinuado em 2011); o “.azw” (da Amazon, para leitores Kindle); o “.mobi” (padrão nos leitores Kindle) e o “.iba” (dos iBooks Apple). O mais utilizado é o “.epub”, abraçado pelo Open eBook Forum e desenvolvido pelo International Digital Publishing Forum. Um ePub propicia boa leitura em um smartphone ou tablet. Para começar, o texto se ajusta automaticamente à tela. Ademais, fontes e fundo de tela podem ser personalizadas conforme as preferências do leitor (figura 3).

O mesmo livro em formato ePub
Figura 3. O mesmo livro da figura 2, em formato ePub, propicia mais conforto e possibilidades de personalização da leitura.

Com a finalidade de ler tais formatos, investe-se na produção e aperfeiçoamento de novos aparatos de leitura. Uma das promessas é o conjunto de tecnologias denominado ora como electronic ink (e-ink), ora como electronic paper (e-paper). A proposta é simular ao máximo a experiência da leitura impressa no dispositivo eletrônico. Trabalha-se para produzir telas que podem ser dobradas e sem brilho, similares ao papel (figura 4).

 Um protótipo de dispositivo leitor e-ink
Figura 4. Um protótipo de dispositivo leitor e-ink: A tela se dobra, simulando o papel. Fonte: The Digital Reader.

Considerando esse esforço, parece razoável sugerir que a experiência de manuseio do livro impresso estabelece ainda o cânone de excelência em leitura.

Desconfortos do leitor analógico frente ao livro digital

O leitor analógico sente desconfortos frente ao livro digital. A designação “leitor analógico” se refere aos nascidos até a geração X (1981), para quem computadores e a internet representam novidades não muito bem-vindas. “Leitor digital” é o nascido a partir de 1981 (gerações Y e Z). Os da geração Z são considerados “nativos digitais”. Estes últimos utilizam linguagens e aparatos digitais com razoável desenvoltura. De acordo com Goleman e Senge:

Alguém com menos de dezoito anos provavelmente nunca conheceu um mundo que não tivesse internet. E em cada vez mais partes do mundo a maioria das crianças com menos de dez anos nunca vivenciou uma época em que não houvesse um dispositivo portátil que pudessem sintonizar — para ficar sintonizadas com as pessoas em volta delas.[43]

Algumas coisas podem tornar a leitura do livro digital desconfortável para o leitor analógico. Para começar, o leitor analógico pode se sentir desnorteado diante das opções de dispositivos eletrônicos e da sopa de letrinhas da internet.

Além disso, para ler um livro antes, bastava pegá-lo na estante e abri-lo. Agora é necessário aprender a lidar com smartphones, tablets e aplicativos. E o aprendizado de novas técnicas pode ser intimidante. “Cada nova técnica exige uma longa iniciação numa nova linguagem, ainda mais longa na medida em que nosso espírito é formatado pela utilização das linguagens que precederam o nascimento dessa recém-chegada.[44] De fato, “cada nova tecnologia implica na aquisição de um novo sistema de reflexos”.[45] Mesmo com todo esforço para propiciar ao leitor do e-Book uma experiência similar à do livro impresso, para quem nasceu antes das gerações Y e Z, o aprendizado de novas linguagens e tecnologias nem sempre é fácil ou agradável.

Outro desconforto é a propensão à dispersão possibilitada pela conexão em rede. Cada link tem o potencial de conduzir o leitor para bem longe do texto do livro. Nestas situações a leitura ativa não ocorreria. Essa dispersão do leitor pode conduzi-lo a uma “dessedimentação intelectual”.[46]

Se isso não bastasse, antes o livro era lido e compartilhado em escala limitada, agora surge uma preocupação nova, com privacidade e segurança. Se antes o leitor lia o livro, agora o livro também lê o leitor, uma vez que os softwares podem enviar dados dos hábitos de leitura para as corporações que desenvolvem aplicativos e dispositivos. Não é sem razão que há quem enalteça o livro digital como um futuro desejável e, por outro lado, quem considere diversos aspectos da cultura digital alienígenas e ameaçadores.[47]

Considerações finais

Parece mais maduro admitir que a leitura em um e-Book difere da de um livro impresso, considerando as limitações e imposições da tecnologia, a reterritorialização do ambiente, a interface do software e o manuseio do dispositivo eletrônico. Essa diferença de experiência não equivale, porém, a ruptura, quer dizer, ainda se trata de leitura e sim, pode ser leitura ativa. Ademais, os e-Books podem (e devem) encaminhar o leitor para os livros impressos e vice-versa.

É provável que, quanto ao objeto livro, o futuro nos reserve o que é sugerido na série Star Trek: Discovery, produzida e distribuída pela Netflix. Duas cenas do episódio 3 chamam a atenção. Na primeira, enquanto se espreme em um duto de ar, fugindo de uma criatura mortífera, a ex primeira-oficial da Frota Estelar, Michael Burnham (Sonequa Martin-Green) pronuncia as seguintes palavras:

O buraco do coelho seguiu como um túnel, depois mergulhou repentinamente, tanto que Alice não teve tempo de pensar em parar, em vez disso, ela se encontrou caindo em um poço muito profundo. Ela tinha agora só vinte e cinco centímetros de altura. Seu rosto se iluminou. Agora tinha o tamanho certo para atravessar a pequena porta para aquele lindo jardim.[48]

Daí ela escorrega por uma abertura e é teletransportada, escapando da morte.

Na segunda cena, a colega de alojamento de Burnham, Sylvia Tilly (Mary Wiseman), se surpreende ao vê-la retirar um objeto de uma sacola de viagem: “Uau, isso é um livro?”[49] Burnham coloca nas mãos de Tilly um exemplar impresso de Alice no País das Maravilhas. Ela diz que aquele livro era lido por sua mãe adotiva do planeta Vulcano, para que ela compreendesse que nem tudo pode ser resolvido apenas pela razão.[50]

Surpreende o uso de um livro impresso no futuro distante de 2256! O esperado, talvez, seria a leitura de textos na tela translúcida de um dispositivo digital. A primeira cena liga o novo Star Trek à literatura universal; a segunda, constrói uma ponte entre as culturas digital e analógica.

Outro quadro é fornecido pelo último escrito do Novo Testamento: Na sublime e enigmática visão da consumação dos séculos, o autor do Apocalipse enxerga não apenas Deus, anjos e homens, mas também livros (Apocalipse 20.12). A julgar pela ótica dos roteiristas de Star Trek: Discovery e, antes deles, do cristianismo, o livro tem ainda um longo caminho pela frente.

Notas

[1] DAVINO, Glaucia Eneida. (Org.). HumaniDiversalidades: Projeto de Humanidades Digitais. São Paulo: Editora Corpo Texto, 2017. E-Book.

[2] HASLAM, Andrew. O Livro e o Designer II: Como Criar e Produzir Livros. 2. ed. São Paulo: Edições Rosari, 2010, p. 6.

[3] ROUVEYRE, Edouard. Dos Livros. Reimp. 2003. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2000, p. 15.

[4] ADLER, Mortimer J. Como Falar, Como Ouvir. Reimp. 2014. São Paulo: Realizações Editora Ltda., 2013, p. 11-17.

[5] PLATÃO. Fedro. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2016, 274b—278b, p. 135-141.

[6] PLATÃO, op. cit., 275a-275b, p. 137. Grifo nosso.

[7] MCLUHAN, Marshall. A Galáxia de Gutenberg: A Formação do Homem Tipográfico. São Paulo: Editora Nacional; Editora da USP, 1972, p. 47. McLuhan alude a AQUINAS, Thomas. Summa Theologica III. Cleveland: Anboco, 2016, q. 42, art. 4, edição do Kindle, posição 8667 de 20922.

[8] MCLUHAN, op. cit., p. 42. Grifo nosso.

[9] Ibid., loc. cit., grifo nosso.

[10] Ibid., p. 43, grifo nosso.

[11] Ibid., p. 44.

[12] Ibid., p. 45. O apóstolo Paulo revela a base oral da cultura judaico-cristã, ao ensinar que a fé vem pelos “sons” (gr. akoē) e estes, pela “palavra de Cristo” (Romanos 10.17). Daí a tradução Nova Versão Internacional (NVI): “A fé vem por se ouvir a mensagem, e a mensagem é ouvida mediante a palavra de Cristo” (grifo nosso).

[13] Ibid., p. 48-49, grifo nosso.

[14] HASLAM, op. cit., p. 6.

[15] PAIVA, Ana Paula Mathias de. A Aventura do Livro Experimental. Belo Horizonte; São Paulo: Autêntica Editora; Edusp, 2010, p. 14.

[16] HASLAM, op. cit., p. 7.

[17] WHITE, Jan V. Edição e Design. Para Designers, Diretores de Arte e Editores: O Guia Clássico Para Ganhar Leitores. São Paulo: JSN Editora, 2006, p. viii.

[18] ADLER, op. cit., p. 13.

[19] MCLUHAN, op. cit., p. 82-83.

[20] TOFLER, 1992, p. 15-32.

[21] SENNETT, Richard. O Artífice. Rio de Janeiro: Record, 2009, passim.

[22] ADLER, Mortimer J.; VAN DOREN, Charles. Como Ler Livros: O Guia Clássico da Leitura Inteligente. São Paulo: Realizações Editora Ltda., 2011, passim. (Coleção Educação Clássica). Sendo mais exato, a experiência remonta aos tempos que precederam o objeto livro, e.g., os leitores judeus e cristãos das Escrituras do Antigo e Novo Testamentos, já desfrutavam desta experiência de individuação, cf. Salmos 40.6-7: “[…] abriste os meus ouvidos [o leitor entende que Deus iluminou seu entendimento]; holocaustos e ofertas pelo pecado não requeres [o leitor entende que Deus exige mais do que o mero culto cerimonial]. Então, eu disse: eis aqui estou, no rolo do livro está escrito a meu respeito” (grifo nosso). O leitor se vê como indivíduo a quem Deus fala pelo texto da Escritura.

[23] VON OECH, Roger. Um “Toc” na Cuca. São Paulo: Livraria Cultura Editora Ltda., 1995; HANKS, Kurt. O Navegador de Mudanças. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., 1998; BRINGHURST, Robert. Elementos do Estilo Tipográfico (versão 3.0). São Paulo: Cosac Naify, 2005; HENDEL, Richard. O Design do Livro. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006 (Artes do livro, I); TSCHICHOLD, Jan. A Forma do Livro: Ensaios Sobre Tipografia e Estética do Livro. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2007; ARAÚJO, Emanuel. A Construção do Livro. 2. ed. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2008.

[24] Mesmo quando os cristãos declaravam que a Bíblia provinha de Deus, eles não abriam mão do conceito de escrita humana — foram seres humanos (sob inspiração do Espírito Santo) que escreveram os livros sagrados: “Sabendo, primeiramente, isto: Que nenhuma profecia da Escritura provém de particular elucidação; porque nunca jamais qualquer profecia foi dada por vontade humana; entretanto, homens [santos] falaram da parte de Deus, movidos pelo Espírito Santo” (2Pedro 1.20-21).

[25] ELLUL, Jacques. The Technological Society. Vancouver, WA: Vintage Books, 1964, p. 79-148.

[26] ELLUL, op. cit., p. 79-85.

[27] Ibid., p. 85-94.

[28] Ibid., p. 85.

[29] Ibid., p. 94-111.

[30] Ibid., p. 94.

[31] Ibid., p. 111-116.

[32] Ibid., p. 116-133.

[33] Ibid., p. 133-148.

[34] Ibid., p. 387-432.

[35] WHITE, op. cit., p. 1.

[36] COLLARO, Antonio Celso. Projeto Gráfico: Teoria e Prática da Diagramação. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Summus, 1996, p. 30. (Coleção novas buscas em comunicação, v. 20).

[37] COLLARO, op. cit., p. 31. Em 2002 o Adobe PageMaker foi substituído pelo Adobe inDesign (cf. ADOBE INDESIGN CC. Disponível em: <https://www.adobe.com/br/products/indesign.html>. Acesso em: 30 mai. 2018). Na esteira do PageMaker, apareceu o também excelente QuarkXPress (cf. QUARK. Disponível em: <http://www.quark.com/Products/QuarkXPress/>. Acesso em: 30 mai. 2018).

[38] O termo “plataforma” se refere ao sistema operacional (software) utilizado para abrir o aplicativo de leitura do PDF (e.g., MS Windows, Linux/Android ou macOS/IOS, etc. Neste post, o termo “dispositivo” se refere ao equipamento (hardware) que roda o sistema operacional.

[39] Mais informações sobre o formato PDF e o Acrobat Reader podem ser obtidas em ADOBE SYSTEMS INCORPORATED. O que é PDF? Disponível em: <https://acrobat.adobe.com/br/pt/why-adobe/about-adobe-pdf.html>. Acesso em 18 out. 2017.

[40] Um disquete era um “disco de material plástico flexível, revestido com material magnético e acondicionado em capa plástica quadrada, e usado para armazenamento de dados e programas de computador; disco flexível” (FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo Dicionário Eletrônico Aurélio. Curitiba: Positivo Informática Ltda., 2009. CD-ROM). Como mídia de armazenamento e troca de arquivos, os disquetes foram substituídos pelo CD-ROM, depois pelo DVD e hoje, por pendrives e pela “nuvem” computacional.

[41] World Wide Web, popularmente conhecida como “www”, é a parte da internet que fornece o espaço de troca de informações baseadas em hipertexto ou arquivos multimídia (hipertexto é uma ligação digital ou link, que permite ir de uma parte a outra de um documento, ou de um documento a outro, em diferentes servidores web). HTML ou HyperText Markup Language (linguagem de marcação de hipertexto) é a linguagem regulamentada pelo World Wide Web Consortium (W3C), usada para marcar os conteúdos de uma página da web. A HTML informa aos navegadores como estes devem mostrar os diversos itens que compõem uma página. HTTP ou HyperText Transfer Protocol (protocolo de transferência de hipertexto) é o protocolo que permite a troca de dados na World Wide Web. A maioria dos endereços de sites inicia com “http://” ou “https://” A XML ou Extensible Markup Language (linguagem de marcação extensível) é uma metalinguagem, que permite criar marcadores personalizados e transpor conteúdos web para outras mídias tais como smartphones, softwares de composição gráfica e aparelhos eletrodomésticos. A XTHML ou Extensible HyperText Markup Language (linguagem extensível de marcação de hipertexto) é uma junção do HTML com o XML, permitindo a utilização dos conteúdos de uma página em outras plataformas. Seus marcadores são muito semelhantes ao HTML padrão. CSS ou Cascading Style Sheets (folhas de estilos em cascata) são orientações de estilos aplicáveis a qualquer conteúdo de uma página da web. Com CSS é possível implementar efeitos sutis na aparência de textos e links, além de estabelecer posicionamentos absolutos de imagens. Os estilos possibilitam ainda alterar todas essas propriedades visuais de uma só vez, sem necessidade de edição página por página de um grande site.

[42] CASTRO, Elizabeth. HTML for the World Wide Web. 5th. ed. Berkeley, CA: Peachpit Press, 2003, p. 13. (Visual Quickstart Guide). Tradução nossa; grifo nosso.

[43] GOLEMAN, Daniel; SENGE, Peter. O Foco Triplo: Uma Nova Abordagem Para a Educação. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015, p. 7.

[44] ECO, Umberto; CARRIÈRE, Jean-Claude. Não Contem Com o Fim do Livro. Rio de Janeiro: Record, 2010, p. 39.

[45] ECO; CARRIÈRE, op. cit., p. 41.

[46] SENNETT, Richard. A Cultura do Novo Capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006, menciona uma “dessedimentação institucional”, decorrente da tensão provocada pela quebra da jaula da burocracia e do trânsito das empresas “de uma tarefa a outra”. Destruída a estrutura anterior, surge a “preocupação com a perda do autocontrole”, uma vez que a nova instituição, que abandona a antiga forma de estrutura piramidal, assemelha-se a um aparelho de MP3, que pode ser programado para “tocar apenas algumas faixas de seu repertório. […] Num tocador de MP3, o que ouvimos poder ser programado em qualquer sequência” (SENNETT, 2006,p. 49). Do ponto de vista psicológico, isso significa que “o desenvolvimento linear é substituído por uma predisposição mental capaz de permitir a livre circulação” (ibid., p. 50; grifo nosso). Isso conduz as corporações a uma “dessedimentação institucional. […] A organização incha e se contrai, empregados são atraídos ou descartados à medida que a empresa transita de uma tarefa a outra” (ibid., loc. cit.). Não seria implausível considerar que a possibilidade de troca de tarefas via links, nos livros digitais, favoreceria uma dessedimentação intelectual.

[47] KEEN, Andrew. O Culto do Amador: Como Blogs, Myspace, Youtube e a Pirataria Digital Estão Destruindo Nossa Economia, Cultura e Valores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009; LANIER, 2010; HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: Uma Breve História do Amanhã. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

[48] STAR TREK: DISCOVERY. Produtores: Geoffrey Hemwall, April Nocifora, Aaron Baiers, Jill Danton. Estados Unidos; Canadá: CBS Television Studios, 2017, episódio 1: O Olá Vulcano; Episódio 3: Contexto é Para Reis. On-line. Disponível em: <https://www.netflix.com/>. Acesso em: 19 out. 2017.

[49] STAR TREK: DISCOVERY, op. cit., 44:33, grifo nosso.

[50] Ibid., 45:00.

Referências bibliográficas

ADLER, Mortimer J. Como falar, como ouvir. Reimp. 2014. São Paulo: Realizações Editora Ltda., 2013.

ADLER, Mortimer J.; VAN DOREN, Charles. Como ler livros: o guia clássico da leitura inteligente. São Paulo: Realizações Editora Ltda., 2011 (Coleção educação clássica).

ADOBE SYSTEMS INCORPORATED. O que é PDF? Disponível em: <https://acrobat.adobe.com/br/pt/why-adobe/about-adobe-pdf.html>. Acesso em 18 out. 2017.

AQUINAS, Thomas. Summa Theologica III. Cleveland: Anboco, 2016. e-Book Kindle.

ARAÚJO, Emanuel. A construção do livro. 2. ed. Rio de Janeiro: Lexikon Editora Digital, 2008.

BÍBLIA DE ESTUDO DE GENEBRA. 2. ed. São Paulo; Barueri: Cultura Cristã; Sociedade Bíblica do Brasil, 2009.

BRINGHURST, Robert. Elementos do estilo tipográfico (versão 3.0). São Paulo: Cosac Naify, 2005.

CASTRO, Elizabeth. HTML for the World Wide Web. 5th. ed. Berkeley, CA: Peachpit Press, 2003 (Visual quickstart guide).

COLLARO, Antonio Celso. Projeto gráfico: Teoria e prática da diagramação. 3. ed. rev. e ampl. São Paulo: Summus, 1996 (Coleção novas buscas em comunicação, v. 20).

ELLUL, Jacques. The technological society. Vancouver, WA: Vintage Books, 1964.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário eletrônico Aurélio. Curitiba: Positivo Informática Ltda., 2009. CD-ROM.

ECO, Umberto; CARRIÈRE, Jean-Claude. Não contem com o fim do livro. Rio de Janeiro: Record, 2010.

GOLEMAN, Daniel; SENGE, Peter. O foco triplo: Uma nova abordagem para a educação. Rio de Janeiro: Objetiva, 2015.

HANKS, Kurt. O navegador de mudanças. Rio de Janeiro: Qualitymark Ed., 1998.

HARARI, Yuval Noah. Homo Deus: Uma breve história do amanhã. São Paulo: Companhia das Letras, 2016.

HASLAM, Andrew. O livro e o designer II: Como criar e produzir livros. 2. ed. São Paulo: Edições Rosari, 2010.

HENDEL, Richard. O design do livro. 2. ed. São Paulo: Ateliê Editorial, 2006 (Artes do livro, I).

HOFFELDER, Nate. Sony and e-ink launch new Jv, Linfiny, to develop e-ink notebooks (but possibly not laptops). In: The digital reader. Disponível em: <https://the-digital-reader.com/2017/09/04/sony-e-ink-launch-new-jv-linfiny-develop-e-ink-notebooks-possibly-not-laptops/>. Acesso em: 17 out. 2017.

KEEN, Andrew. O culto do amador: Como blogs, MySpace, YouTube e a pirataria digital estão destruindo nossa economia, cultura e valores. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2009.

LANIER, Jaron. Gadget: Você não é um aplicativo. São Paulo: Saraiva, 2010.

*MCLUHAN, Marshall. A galáxia de Gutenberg: A formação do homem tipográfico. São Paulo: Editora Nacional; Editora da USP, 1972.

PAIVA, Ana Paula Mathias de. A aventura do livro experimental. Belo Horizonte; São Paulo: Autêntica Editora; Edusp, 2010.

PLATÃO. Fedro. São Paulo: Penguin Classics Companhia das Letras, 2016.

ROUVEYRE, Edouard. Dos livros. Reimp. 2003. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2000.

SENNETT, Richard. A cultura do novo capitalismo. Rio de Janeiro: Record, 2006.

__________. O artífice. Rio de Janeiro: Record, 2009.

STAR TREK: DISCOVERY. Produtores: Geoffrey Hemwall, April Nocifora, Aaron Baiers, Jill Danton. Estados Unidos; Canadá: CBS Television Studios, 2017, episódio 1: O olá Vulcano; episódio 3: Contexto é para reis. On-line. Disponível em: <https://www.netflix.com/>. Acesso em: 19 out. 2017.

TOFLER, Alvin. A terceira onda. 19. ed. Rio de Janeiro: Record, 1993.

TSCHICHOLD, Jan. A forma do livro: Ensaios sobre tipografia e estética do livro. Cotia, SP: Ateliê Editorial, 2007.

VON OECH, Roger. Um “toc” na cuca. São Paulo: Livraria Cultura Editora Ltda., 1995.

WHITE, Jan V. Edição e design: Para designers, diretores de arte e editores: o guia clássico para ganhar leitores. São Paulo: JSN Editora, 2006.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *